Câncer de Pele

Tumor cutâneo – Nevos

No Brasil, o câncer de pele continua sendo o tipo mais incidente tanto para o sexo masculino como para o sexo feminino. É uma modalidade de letalidade baixa. Porém, é preciso estar atento, pois quando há demora no diagnóstico pode levar a ulcerações e deformidades físicas graves principalmente na face. O câncer de pele tem excelente prognóstico, com taxas altas de cura completa, desde que tratada de forma adequada e oportuna.

Câncer de pele é mais comum em indivíduos com mais de 40 anos sendo relativamente raro em crianças. Indivíduos de pele clara devem sempre estar atentos. Pessoas sensíveis à ação dos raios solares ou com doenças cutâneas prévias são as principais vitimas.

 

Os mais frequentes são:

  • Carcinoma basocelular (70%) mais frequente e o menos agressivo. Surge em áreas expostas ao sol, em pessoas de pele clara, como pequenos tumores rosados, às vezes acastanhados, que ferem e sangram com facilidade. Não melhoram espontaneamente e demoram para crescer. Nunca causa metástases para outros órgãos, mas pode invadir em profundidade.
  • Carcinoma epidermóide (25%) é o mais associado com a exposição solar, frequente nas pessoas claras que já apresentam na pele outros sinais de dano ao sol. São lesões avermelhadas, queratóticas, por vezes infiltradas que também podem ferir e sangrar. Se não tratado, pode crescer e invadir estruturas vizinhas e até disseminar para outros órgãos numa fase bem tardia.
  • Melanoma (4%) é o mais grave de todos por ser bastante agressivo. Em fases avançadas gera metástases para órgãos como o cérebro, pulmões e fígado. Na maioria das vezes manifestam-se como manchas castanhas, que crescem rápido, mudam de cor e ganham relevo. Surgem não somente nas áreas expostas, mas também nas áreas cobertas.

 

Importante – 

O termo médico para pintas é “nevo”, que correspondem a lesões geralmente circulares, acastanhadas, planas ou com relevo, localizadas em qualquer parte do corpo.

Uma maneira simples de saber se o nevo tem o risco de ser um câncer de pele é utilizando a regra do “ABCDE”:

A – Assimetria: há maior risco se o nevo for assimétrico em dois eixos
B – Bordas: lesões com bordas irregulares, mal definidas tem risco aumentado
C – Cores: presença de 2 ou mais cores (castanho, preto, cinza, branco, vermelho) indicam maior risco de câncer de pele
D – Diâmetro: nevos com diâmetro acima de 0,6 cm são um critério de risco
E – Evolução: lesões que estão crescendo, mudando de cor, evoluindo de alguma forma são suspeitas.

A cirurgia plástica e a dermatologia atuam no diagnóstico e no tratamento destas lesões. Por muitas vezes, são necessários procedimentos complexos de reconstrução após a retirada das lesões de pele maiores, que poderiam ser evitadas se a doença fosse detectada em sua etapa inicial.

 

A cirurgia –

O tratamento do câncer de pele segue os mesmos princípios do tratamento de qualquer câncer. É preciso escolher o tratamento mais adequado, que tenha a menor chance de recidiva e o melhor resultado estético e funcional.

A cirurgia com anestesia local é na maioria das vezes o melhor tratamento, tendo os melhores índices de cura com baixo risco de recidiva. A escolha por tratamentos não cirúrgicos deve ser feita quando o paciente não tiver condições médicas de fazer cirurgia.

Na cirurgia remove-se o tumor mais uma margem de segurança de pele sadia. Esta margem de segurança varia de acordo com o câncer a ser tratado.

  • Basocelular margem de 0,3mm a 1cm
  • Espinocelular margem de 0,5mm a 1cm
  • Melanoma margem de 0,5mm a 2cm

 

Prevenção –

CA-de-PELE-desenho-prevencao

A exposição ao sol e à radiação ultravioleta ainda é o fator de risco mais conhecido.

Evitar exposição das 10h às 16 horas, utilizar roupas de algodão de mangas e pernas compridas, chapéu ao se expor ao sol e usar protetor solar com fator de proteção adequado para o seu tipo de pele, são as maneiras mais eficazes para prevenir o câncer de pele tipo melanoma.

Pessoas de pele clara, que ficam vermelhas facilmente ao se exporem ao sol e que não bronzeiam com facilidade, têm maior risco de desenvolver qualquer um dos tipos de câncer de pele.

Essas pessoas devem procurar atendimento médico regularmente para que a pele seja examinada. Nesse exame, procuram-se sinais que tenham alguma característica que indiquem que as lesões possam se tornar malignas.

Nesse caso, está indicada a retirada de tais lesões além da indicação mais intensa de evitar a exposição solar.

(Visited 461 times, 1 visits today)